PORTES GRÁTIS PARA PORTUGAL CONTINENTAL

(em compras superiores a 15€)

PORTES GRÁTIS PARA PORTUGAL CONTINENTAL (em compras superiores a 15€)

  • 0 Items - 0,00
    • Carrinho vazio.

Shop

23,90

Preço fixo até 30/09/2025 (?)

Preço livre (?)

Escrava da Liberdade

Uma homenagem ao papel das mulheres

na sua luta por justiça e liberdade.

Em stock

Também disponível em EBOOK nas seguintes lojas:
Apenas disponível em EBOOK nas seguintes lojas:

pgn_btn_4
pgn_btn_2
pgn_btn_3
pgn_btn_5
pgn_btn_1b

Caraterísticas

Chancela

ISBN 9789897871726

Data de publicação Outubro de 2023

Edição atual 1.ª

Páginas 576

Apresentação capa mole

Dimensões 150x230mm

Coleção Suma de Letras

Idade recomendada Adultos

Disponibilidade

Partilhar

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Escrava da Liberdade”

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

CUBA, MEADOS DO SÉCULO XIX. Um navio com uma carga sinistra aporta na praia de Jibacoa, em Cuba. Mais de setecentas mulheres e meninas sequestradas da sua África natal chegam para trabalhar, até à exaustão, nos canaviais e dar à luz crianças que também serão escravas. Kaweka é uma delas, uma menina de onze anos que viverá em primeira mão o horror da escravidão na fazenda do cruel Marquês de Santadoma, uma injustiçacontra a qual se insurgirá, pois a única escravidão a que Kaweka está disposta a submeter-se é a da luta pela liberdade.

MADRID, ÉPOCA ATUAL. Lita, uma jovem mulata, é filha de Concepción, a mulher que serviu toda a sua vida na casa do Marquês de Santadoma. Apesar de ter estudos e uma forte ambição profissional, a insegurança no emprego obriga Lita a recorrer aos todo-poderosos Santadoma em busca de uma oportunidade no banco do marquês. Ao mergulhar nas fi nanças da empresa e no passado dessa família abastada, a jovem descobre a origem da sua fortuna e decide travar uma batalha judicial em prol da dignidade e da justiça que a sua mãe e todas as mulheres que deram as suas vidas ao serviço de homens brancos que nunca as trataram como iguais merecem.

Relacionados